menu

Epigenética: um auxílio na melhora do organismo e no combate à queda capilar

21/12/2018 - Por: Redação JakBell

Diversos textos e artigos já comprovaram que o estilo de vida do mundo moderno realiza um impacto direto no funcionamento do nosso organismo, afetando, principalmente, todo o processo de envelhecimento natural do corpo humano. E tais influências são conhecidas cientificamente como Epigenética.

Mas o que de fato é a Epigenética?

A Epigenética pode ser considerada o estudo das células de DNA e as influências diretas de tudo o que possa afetar o nosso organismo, e isso inclui a dieta alimentar, estilo de vida, influências socioambientais e até mesmo a hereditariedade. Em muitos casos, considera-se que 98% da expressão genética (forma mental, emocional e física do corpo) é quase que totalmente comandada pelo ambiente no qual uma pessoa vive. E este é o objetivo de um exame de epigenética, ir de encontro à melhor forma de compreender esse gene, com a intenção de melhorar a qualidade de vida, entendendo precisamente as influências psicológicas, biológicas e também ambientais de cada indivíduo.

Auxilia no encontro das causas patológicas do cabelo

Dentre os diversos exames que contribuem para identificar a origem dos problemas capilares, o que inclui a tricoscopia, o exame de microscopia de luz polarizada, entre outros, dentro do universo capilar, o de epigenética também existe para praticamente a mesma finalidade.

Levando em conta que as patologias do cabelo acontecem devido a problemas de origem biológica, psicológica e ambiental muitas vezes, não é difícil de compreender que a Epigenética surge como uma forte aliada no combate à essas alterações, responsáveis pela queda de cabelo em muitos homens e mulheres em todo o mundo.

Microscopia de Luz Polarizada: o exame que ajuda a identificar anomalias capilares

Como funciona o exame de epigenética?

O teste epigenético do fio de cabelo é feito muito rapidamente pelo sistema Cells Welbeing, um dispositivo utilizado para escanear o bulbo capilar. É comum os profissionais fazerem uso de dois até três bulbos do fio para a análise completa. A partir de então, o material é colocado junto a um sensor especial, que faz o estudo através de uma técnica conhecida como espectrofotometria. Em seguida, o teste é enviado para a Alemanha para o comparativo em um banco de dados local.

Em menos de 15 minutos a análise epigenética apresenta um relatório totalmente personalizado, com informações completas sobre como se encontra o organismo do paciente. O relatório é verificado por um tricologista, que irá comparar e analisar todas as informações necessárias para o início do tratamento capilar, que deverá incluir uma reposição nutricional para o fio, desintoxicação do couro cabeludo, restauração da ação imunológica e metabólica do organismo, entre outros processos.

Recuperando o gene

Durante o tempo de terapia capilar, é comum o tricologista indicar você passar longe de alimentos que sejam tóxicos, principalmente os industrializados. Já para favorecer na recuperação do cabelo, é importante a ingestão de vitaminas e minerais essenciais para combater os agentes que estejam agredindo o seu organismo. A intenção é “reavivar” os genes saudáveis e “adormecer” os que estejam comprometidos. Então, a partir disso, o metabolismo começa a ser recuperado.

Como não podemos realizar uma mudança nos nossos genes, alguns hábitos e cuidados precisam ser tomados, e isso inclui como você se alimenta e se comporta (estilo de vida). Cuidados como esses ajudam no bom funcionamento da expressão epigenética.

SAIBA MAIS – Alopecia areata: entenda suas causas, sintomas e tratamentos

A Genômica Nutricional

A “Genômica Nutricional” tem como objetivos principais fornecer bases para a personalização das recomendações nutricionais e para a individualização de planos alimentares com base no genótipo individual. Ela possui três subáreas distintas, mas que se complementam:

Nutrigenômica: estuda os mecanismos pelos quais os nutrientes, compostos bioativos de alimentos ou padrões alimentares que interagem com o genoma e alteram a expressão gênica, podendo influenciar no desenvolvimento de doenças ou promover um estado de saúde adequado;

Epigenômica Nutricional: estuda mecanismos epigenéticos segundo os quais a expressão gênica é regulada. Contudo, estes mecanismos não causam em alterações na sequência dos nucleotídeos do DNA. Dentre os eventos envolvidos na epigenética, destacam-se o padrão de metilação do DNA, as modificações de histonas, a ação de microRNA e a estabilidade cromossômica. Cabe destacar que a alimentação apresenta capacidade de modular diferentes eventos epigenéticos, envolvidos com o metabolismo celular;

Nutrigenética: investiga como a variabilidade genética individual interfere na resposta à alimentação e no risco de desenvolvimento de doenças.

Os testes genéticos estão cada vez mais presentes e acessíveis, e atualmente já estão sendo comercializados no Brasil. Mas devemos ressaltar que ainda não se conhece exatamente a função de todos os genes, nem tampouco a relação completa entre eles e outras doenças específicas. Portanto, o principal enfoque dos testes genéticos relacionados à Nutrição, é a análise de polimorfismos de nucleotídeo único (SNP – do inglês Single Nucleotide Polymorphisms) que poderiam direcionar para as necessidades nutricionais individuais, a fim de reduzir o risco do surgimento de doenças crônicas não transmissíveis, como a alopecia, por exemplo.

Veja também – Alopecia Androgenética: causas, sintomas e tratamentos

Contudo, deve-se enfatizar que os testes epigenéticos isoladamente não são suficientes para a personalização da alimentação, nem tampouco para a prescrição de suplementos, no intuito de melhorar a saúde e reduzir o risco do surgimento de doenças crônicas não transmissíveis. Eles não devem substituir outros exames laboratoriais e avaliações necessárias ao tratamento e devem ser utilizados apenas como ferramenta adicional à prescrição clínica.

O profissional deve pautar sua atuação no Código de Ética (Resolução CFN no 334/2004, alterada pela Resolução CFN no 541/2014) e estar capacitado a interpretar os testes de epigenética e a orientar adequadamente seus clientes. É extremamente importante ressaltar que a interpretação equivocada dos testes pode causar prejuízos ao paciente. Por isso, procure sempre um profissional e um local qualificado para isso.